Sites Parceiros: Site Oficial | Blog Oficial | Projeto Portal | Urandir | Ufologia Brasil | Urandir 2012

Optamos por parar de divulgar os fenômenos ufológicos na mídia porque é muito cruel a maneira como a mídia brasileira trata o assunto extraterrestre ou qualquer outra filosofia que vai de encontro a seus interesses. Parece que eles querem copiar um padrão americano totalmente arcaico, e acabam polemizando de forma negativa qualquer assunto que é de suma importância para todos nós.

Percebemos como existe a influência das religiões e da própria sociedade sobre este assunto. Eles tem receio da reação da população ao ter 100% de certeza da existência dos extraterrestres, de seres com uma imensa capacidade mental e com tecnologias mil anos luz comparados ao melhor cientista encontrado da terra.

Certamente a população iria direcionar o seu foco para esta civilização e iria esquecer a forma alienante que a sociedade conduz a humanidade. Se contassem toda a verdade, poderiam perder a manipulação, todo o seu monopólio.

Então preferem manter a população na mentira e na ilusão de que existe uma esperança em torno da suposta “fé”. Utilizam o medo para que todos se mantenham eternamente oprimidos.

Diante disto, optamos por parar de divulgar estes assuntos pela falta de ética e de respeito em torno deste assunto. São pessoas com a mente muito “quadrada” e que não possuem a menor visão sobre o assunto. Pensei mil vezes antes de falar isto, mas infelizmente esta é a realidade.

O fato de obedecerem ao padrão americano, é uma covardia em relação ao povo brasileiro. A mídia opta por ficar submissa aos padrões de estrangeiros e acaba denegrindo a própria imagem do país.

É uma pena, pois acabam perdendo uma grande oportunidade de mostrar ao mundo uma realidade totalmente diferente, uma superação tecnológica que superaria tudo que a humanidade já viu.

Então por este assunto ser muito polêmico e de tamanha importância para a humanidade, optamos por divulgar apenas entre os Associados de Dakila Pesquisas liderado por Urandir Fernandes de Oliveira.